Pesquisar este blog

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Gordelícia

Bomba, bomba, bomba! Parem as máquinas que eu tenho uma revelação de primeira página: sou uma senhorita rechonchuda! Gordinha mesmo. Perninhas grossinhas, rosto redondinho e comissões de frente e de trás devidamente bem recheadas. Quem me conhece pessoalmente, sabe disso. Quem nunca me viu ao vivo e em cores, pode checar a foto do perfil aqui no blog. Numa comparação rápida com a Mari, moçoila esguia e de formas perfeitas, vocês podem ver que o desenhista me deu até um balanço mais agitado de quadris.

Sempre fui assim. Claro que com algumas variações, naquele sobe e desce de números na balança, típico de quem entra e sai de dietas a vida inteira. De uns anos pra cá, resolvi abraçar minha fofura com todo amor e carinho. Mesmo estando fora dos padrões (por favor, assassinem quem criou esses padrões!), me curto com toda a intensidade e, cá entre nós, sem falsa modéstia, sou bonita de verdade. Além, é claro, de outras qualidades muito mais importantes.

Só que, na balada, o que conta mesmo é a aparência, principalmente, a do corpo. Perfeitamente compreensível! Afinal, ninguém vai chegar em você por causa da sua pinta de inteligente ou de legal. Sei também que rola uma espécie de “competição” entre os homens, pra ver quem vai ser o macho alfa da noite e ter o “privilégio” de desfilar com a fêmea mais bombástica do bando (mesmo que ela seja uma piriguete de carteirinha).

Ainda assim, recebo muitas cantadas e me dou ao luxo de escolher com quem ficar, quando me dá vontade. Obviamente, minhas companheiras esbeltas de guerra são muito mais requisitadas. Até aí, tudo bem. Agora, o problema não é escutar poucos xavecos e sim ouvir barbaridades dos típicos idiotas sociais. Já aturei asneiras inacreditáveis!

“E aí, quem vai ter coragem de encarar a gordinha?”, diz um retardado pro grupo de castrados mentais amigos dele. Outro me chama e diz, tentando segurar o riso imbecil, que quer me apresentar a alguém (pra “sacanear” o amigo). Já aguentei ainda pérolas como “Olha, eu acho que deveria ter um limite de manequim pra vir pra esse tipo de lugar”. Sim, senhoras e senhores, eu escuto tudo isso! Sem ter feito absolutamente nada. É agressão gratuita!

O que leva um ser humano, teoricamente com racionalidade e inteligência, a agredir outra pessoa assim, sem mais nem menos??? Necessidade de autoafirmação? Idiotice em alto grau? Ausência de cérebro? Qual a vantagem, benefício ou ganho pessoal em ofender alguém? E o pior de tudo é que os autores das ofensas nunca são Brad Pitts ou Márcios Garcias da vida. São sempre carinhas bem xexelentos. Mesmo assim, não sou eu quem vai dar essa notícia a eles, até porque eles próprios devem saber disso... Ou deveriam.

Sem demagogia, mas a máxima “beleza não põe mesa” é a mais pura verdade. Conheço pessoas lindas de viver, mas que são intragáveis. Também têm as feinhas, mas tão legais, inteligentes e interessantes, que a gente quer agarrar a qualquer custo. Há ainda os casos “abençoados” de beleza pura + personalidade nota 1000 e os sem solução, de quem boa aparência e cabeça legal passam looonge. Conheço todos os tipos, com alguns quero ter cada vez mais e melhor contato, já outros...

By Ana Fabre

7 comentários:

Anônimo disse...

kkk Adorei.
karla

Anônimo disse...

Amiga, você é linda!!! Dane-se o que dizem as regras da sociedade. Acho um absurdo esse negócio de peso ter relação direta com o grau de interesse que a pessoa desperta. Você é a mais comunicativa de todas as amigas e, só por isso, deveria ganhar todos os homens! Hahaha! E quanto às besteiras que os caras dizem na balada, chega de ser santa. Já combinamos isso! Vamos sair juntas e, quando um babaca abrir a boca pra falar caca, vamos virar e rir da cara dele (e sacanear o piu piu pequeno que tenho certeza que ele tem!)!! Hahahaha! Beijocas, Mari Abreu

Anônimo disse...

Infelizmente vivemos numa sociedade que trabalha com a ditadura da beleza, impondo padrões de magreza e permitindo que lindas mulheres passem por esse tipo de situação e coisa pior... gosto de gente que boicota isso! Parabéns pra todas as mulheres que são bem resolvidas, e inclusive não precisam criticar o "piu piu pequeno". Apenas não se deixam sujar emocionalmente pela merda que recebem por aí... e ponto. -Lígia

filipy parente disse...

Putz!! Como tem nego cara de pau nesse mundo!!! Aninha, você é linda!!! E pego você toda hora!!!!

Gabrielle Avelar disse...

Como a conheço pessoalmente e tive o privilégio de conviver consigo por algum tempo, eu posso afirmar e reafirmar - cheia de clichês - que você é uma pessoa linda, linda, linda, por dentro, por fora, de frente e de costas - hehehehe!!!
Além de tudo - o que já não é pouco - ainda por cima é inteligente, bem humorada - predicado de pouquíssimos seres viventes - delicada e gentil.
Amei seu texto, a despeito das muitas grosserias que sei que já enfrentou na vida. Você sabe, afinal, que DETESTO falta de civilidade e gentileza.
E, Ana, você é LINDA!!!
Beijocas!!!

Anônimo disse...

Finalmente!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Um artigo não lésbico. Com muita habilidade disse a verdade sobre a atual sociedade, que considera somente a casca das pessoas e não o seu conteúdo (o que hoje em dia é difícil, pois os anabolizantes corroem o cérebro).
O problema é que alguns levam 30 ou 40 anos para perceberem que o corpo é suscetível a lei da gravidade e outros intempéries.

Do seu cunhadinho querido.

Anônimo disse...

Sobre enfim um post não-lésbico-recalcado, corcordo.Mas vamos lá:Quanta hipocrisia!Quem nessa terra de meu Deus,não se incomoda de ser "a gordinha"?Quem não preferia estar 5 ou 10 quilos mais magra?Por favor,não me venham com essa de aceitação.Quem aceita é porque não consegue emagrecer!Só isso.Mas gostaria SIM de ser mais magra.Seria mesmo ótimo viver em algum planeta onde as coisas não fossem assim.Isso tudo é lindo,não discordo,afinal a beleza sem charme não tem graça.Mas daí a comentar para dizer " Amiga, você é linda!!! Dane-se o que dizem as regras da sociedade." Ou que "conviver consigo", não dá.Não tem conteúdo,é quase ficção.

Postar um comentário